Videogames invadem salas de recuperação e fisioterapia

Links:
Games podem ensinar as pessoas a controlar nervosismo e ansiedade

Reabilitação motora, fonoaudiologia, terapia ocupacional; tudo virou gameterapia - pelo menos em parte! Todos esses tratamentos já podem ser feitos com o auxílio de jogos digitais; seja em tablets ou consoles com sensores de movimento. Aqui no Graac, em São Paulo, as crianças usam os videogames para acelerar a recuperação após um trauma tão cedo na vida.

A terapia com o uso do videogame também é indicada para adultos e idosos. No entanto, o uso da tecnologia não substitui outras práticas terapêuticas; apenas complementa o tratamento uma vez que leva o paciente para outra realidade, muda o estado de ânimo da sessão e torna a recuperação mais estimulante.

Diagnosticado com um câncer ósseo, o jovem Alexandre teve seu joelho substituído por uma prótese de titânio. Após cada sessão de fisioterapia convencional, é aqui que ele acaba, na frente da TV para fortalecer a pisada e descontrair um pouco também…diversão e resultados garantidos.

Definitivamente, a tecnologia transformou o entretenimento em uma tendência médica. Se acelera a recuperação do paciente, facilita bastante também a vida do profissional médico. É uma ferramenta prática que oferece soluções para conscientizar o paciente para que ele possa entender melhor seu tratamento e até para deixar mais concreto o que muitas vezes é muito abstrato - principalmente para uma criança.

No Brasil, o número de aplicativos específicos desenvolvidos para qualquer tipo de terapia ainda é limitado. Mas os profissionais aprenderam e até já escolheram uma série de jogos que servem para diversas funções além do entretenimento.

Cientistas do Medical College of Georgia, nos Estados Unidos, descobriram que diversos jogos do Nintendo Wii melhoram a rigidez, o movimento e as habilidades motoras em pacientes da fisioterapia. Mas do que isso, eles constataram que a gameterapia foi capaz de diminuir a ocorrência de depressão em pacientes com mal de Parkinson.

Desenvolvedoras de games estão integrando a tecnologia e a popularização de sensores, como o leitor biométrico e de batimentos cardíacos, aos jogos, permitindo que o usuário avance na narrativa de acordo com seu estado mental. Chamada de biofeedback, a técnica aplicada pode pode ensinar as pessoas a controlar melhor o nervosismo e a ansiedade na vida real. Essa história você confere no link logo abaixo do vídeo desta matéria; confira!



RECOMENDADO PARA VOCÊ