Cientistas criam medo em pessoas que nunca tiveram a sensação

Por Redação Olhar Digital - em 04/02/2013 às 19h40

  • Ciência
  • Pesquisa

Resumo: Segundo pesquisa, sensações dependem de regiões diferentes do corpo

Embora cientistas saibam qual região cerebral é parcialmente responsável pelo medo, não se pode descrever exatamente esta sensação. Para pesquisadores da Universidade de Iowa, os fatos são intrínsecos. A descoberta de um novo tipo de medo está na raíz deste problema.

O fato aconteceu em experimentos realizados com portadores de Urbach-Wiethe, doença que inutiliza a amídala cerebral. Esta parte do órgão era, até então, a única sabidamente relacionada a sintomas do medo, tais como a sensação de pânico e nervosismo.

Os pacientes portadores desta doença nunca tinham se sentido amedrontados frente a situações temerosas, de filmes de terror a eventos traumáticos. Durante as experiências conduzidas pelo pesquisador Johnny Feinstein, entretanto, todos sentiram medo ao inalar monóxido de carbono.

"Senti pânico, muito porque eu não sabia o que estava acontecendo", afirmou aos pesquisadores uma das pacientes com a disfunção na amídala. Isso contradiz a tese de que cabia somente a esta estrutura a coordenação de sintomas do medo. No caso do monóxido de carbono, são ataques de pânico, sufocamento e tosse.

A resposta dos pacientes coloca a sensação de ameaça à parte da sensação de medo. Para o cientista Joseph LeDoux, da Universidade de Nova York, a pesquisa aumenta a necessidade de se repensar o cérebro emocional, bem como a definição de termos como medo e prazer. 

"Os mecanismos que produzem reações para ameaças são diferentes desses que geram sensações de medo. Há muitas evidências de que a amídala cerebral contribui para reações de medo, mas muito poucas provas de que ela gere a experiência consciente do medo", finaliza o especialista, em entrevista ao jornal britânico The Guardian.


Recomendações
Ver todas
Últimos vídeos
Ver todos
Redes Sociais