Equador concede asilo a Julian Assange

Por Redação Olhar Digital - em 16/08/2012 às 10h48

  • Friends of Wikileaks
  • WikiLeaks

Resumo: Criador do Wikileaks ficará na embaixada do país, que aumentou a tensão com a Grã-Bretanha

O governo do Equador confirmou que Julian Assange fica em sua embaixada em Londres como asilado político para não ser preso pela Grã-Bretanha. A informação foi dada em entrevista coletiva nesta quinta-feira (16/08), concedida pelo chanceler equatoriano, Ricardo Patiño.

Australiano, Assange é alvo de acusações de estupro e assédio sexual, na Suécia. O país escandinavo pediu a extradição à Grã-Bretanha, então o hacker se refugiou junto ao Equador.

Ao divulgar a decisão de seu país, Patiño criticou a Austrália, que não estaria protegendo seu cidadão. Ele também afirmou que o dono do Wikileaks tem de ser mantido na embaixada para não acabar nas mãos dos Estados Unidos, onde poderia enfrentar julgamento militar, correndo risco de pegar prisão perpétua ou até a pena de morte.

No ano passado, o site de Assange foi responsável pela divulgação de dados comprometedores sobre a diplomacia e a atuação militar dos EUA. Ele alega que as acusações que sofre seriam uma arma para calar a sua plataforma, considerada ameaça por alguns governos.

Tensão

Ontem (15/08), o governo britânico afirmou que mesmo se Equador ficasse com o ativista, ele seria preso porque o status de território diplomático da embaixada seria revogado, ao menos temporariamente. Durante sua fala, hoje, Patiño criticou a ameaça e disse que a Grã-Bretanha "está basicamente dizendo ‘nós vamos espancá-los de forma selvagem se vocês não se comportarem’", conforme reportado pela BBC.

Imediatamente após ao que considera demonstração de poder colonial, o país acionou a OEA (Organização dos Estados Americanos) e a Unasul (União das Nações Sul-Americanas). "O Equador é uma nação democrática, soberana, e não podemos aceitar tais ameaças à nossa soberania", disse o chanceler.


Recomendações
Ver todas
Últimos vídeos
Ver todos
Redes Sociais