Ganhar dinheiro para avaliar produtos: uma prática comum na internet

Por Stephanie Kohn - em 15/02/2012 às 13h50

  • Amazon
  • Compras
  • compras coletivas
  • Kindle

Resumo: Conheça o "trabalho" que remunera internautas que fazem reviews online e o lado antiético das avaliações
Avaliação positiva

Uma pesquisa desenvolvida no ano passado pela Performics e conduzida pela ROI Research descobriu que a maioria dos consumidores (58%) acredita nas avaliações e comentários de usuários em sites de compras. Por conta disso, algumas empresas desenvolveram uma atividade que remunera usuários que fazem avaliações de produtos.

O site "Eu Testei", por exemplo, tem um programa de recompensas por avaliações. O interessado se cadastra no site, inclui o código ID do Google Adsense e, a partir daí, eles repassam para o usuário 60% das impressões do Adsense. Ou seja, se a pagina de avaliação que a pessoa escreveu receber muitos acessos no dia, estas entradas se reverterão em dinheiro.

Também existem outros sites que remuneram internautas dispostos a dar sua opinião sobre certos produtos. Os cadastrados são convidados a fazer uma avaliação sobre os ítens à venda, recebendo em troca uma raspadinha surpresa que pode valer a ingressos para concorrer a prêmios no site, que vão desde um iPod até um carro.

Porém, nestes sites, as avaliações não precisam ser, necessariamente, bem elaboradas - ao contrário de algumas empresas norte-americanas, que exigem um review bem escrito e com informações relevantes e, principalmente, verdadeiras. Sites como Squidoo, HubPages, BreakStudios, ShoutMeLoud e Factoidz, por exemplo, buscam por feedbacks consistentes de pessoas que realmente utilizaram o produto e querem dar sua opinião para ajudar outros clientes em suas escolhas.

A maioria dos sites citados acima funciona no mesmo esquema do "Eu Testei" pagando por impressões no Adsense. Já outros pagam por quantidade de reviews e alguns remuneram pela qualidade do feedback. Neste caso, quanto mais as pessoas considerarem a opinião do usuário válida, mais dinheiro ele ganhará. Em outras palavras, o comentário das pessoas será avaliado por outras pessoas. Dessa forma, um ajuda o outro. As recompensas podem ser pagas em dinheiro na conta, via PayPal ou outros serviços de pagamentos. Porém, a moeda de troca é que não muda jamais: sua opinião.

Cuidado, nem tudo o que dizem é verdade!

Como muitas coisas no mundo, o mercado de avaliações também tem seu lado antiético. Recentemente, um caso descoberto dentro da Amazon.com confirmou as suspeitas de que existem empresas que pagam por feedbacks positivos falsos. Uma fabricante de capas para o tablet Kindle Fire é um exemplo disso. A companhia começou a premiar os clientes com produtos gratuitos em troca de boas referências no site da Amazon.

Em pouco tempo, a capa para o tablet, chamada Vipertek, atingiu 355 análises, sendo que 310 delas davam a avaliação máxima permitida (cinco estrelas). Alguns consumidores relataram que a companhia enviava junto do produto, que custava US$ 10, uma carta explicando que, dependendo da avaliação feita para a Amazon, eles poderiam ser reembolsados e ficariam com o produto gratuitamente. Resumindo: a cada estrela dada para o produto, o cliente ganhava US$ 2. Ou seja, a avaliação máxima faria com que o produto saísse de graça.

Aqui no Brasil o site Buscapé possui avaliações bem suspeitas. Três perfis com nomes distintos comentam sobre os mesmos produtos e usam até as mesmas frases para avaliar o desempenho de uma TV. Em outros sites, como o do Walmart, clientes já reportaram que alguns comentários são falsos, assim como no site Decolar.com. "Temos uma equipe dedicada a avaliar as análises dos produtos. O time recebe denúncias de avaliações falsas e entra em contato com o autor da avaliação ou até retira o feedback do ar. Eles checam se o comentário é real, se não é ofensivo, se está mal escrito etc", comenta Rodrigo Borer, vice-presidente do Buscapé. 

Assim como acontece em outros sites, o Buscapé também tem a opção de "gostar" de certas avaliações. Lá, existe um ranking em que os melhores feedbacks, em termos de veracidade e clareza, têm prioridade. "Não editamos nenhum comentário, apenas tiramos do ar o que achamos inadequado, pois existem muitos 'trolls'. Além disso, há quem copie opinião e também existem as avaliações positivas falsas. Na nossa política de avaliações nós deixamos claro que não compactuamos com a prática de compra de avaliações positivas", comenta. "Se identificarmos algum comportamento antiético da loja [como pagar para usuários falarem bem do produto], o estabelecimento será advertido e, eventualmente, descadastrado do Buscapé", finalizou.

Além dos usuários comprados, no Reino Unido já existe até um software que cria testemunhos em apenas alguns segundos. O programa pede o nome do usuário, nome da fabricante do produto, o modelo do produto e gera, instantaneamente, uma avaliação positiva. "Obtenha testemunhos críveis que qualquer proprietário gostaria de ler", diz o site que comercializa o software. O software vem sendo utilizado pelos próprios fabricantes, que publicam os testemunhos positivos no site de seus produtos, e internautas comuns, que publicam as avaliações em troca de dinheiro (sites citados acima). Obviamente, o uso do software depende de cada um. Existem pessoas que o utilizam, pois acreditam que o produto realmente vale uma avaliação positiva, mas, há também aqueles que estão se aproveitando da novidade para práticas pouco éticas. A ferramenta em questão custa US$ 27.

É importante lembrar que avaliações falsas têm consequências. A marca pode perder credibilidade, além de perder a oportunidade de descobrir o que seus clientes realmente estão achando dos produtos. Para você não cair em alguma avaliação mentirosa, siga as dicas do site Daily Finance:

1 - Cuidado com os exageros!

Comentários efusivos, cheios de adjetivos exagerados e pontos de exclamação, provavelmente são falsos, segundo Christine Frietchen, editora-chefe do site de reviews ConsumerSearch. Ela afirma que é importante perceber que as avaliações verdadeiras relatam o lado bom e ruim do produto, portanto, comentários somente com elogios exagerados não devem ser levados em consideração.

2 – Atenção nas estrelas!

Christina acredita que as pessoas com boas intenções sempre se preocupam em dar notas justas. Portanto, avaliações com cinco estrelas ou apenas uma, podem sugerir um feedback pouco verdadeiro. Um "troll" - pessoa que insulta e humilha sem nenhum motivo - sempre dará o mínimo de pontuação e um internauta comprado sempre vai avaliar o produto com o máximo de estrelas.

3 – Nada de perfeição!

Uma dica importante é prestar atenção nas frases, segundo Christina. Uma sentença perfeita que soa como uma cópia de panfleto ou release deve ser falsa. Uma avaliação verdadeira traz frases particulares, além de textos que transpareçam as experiências pessoais do cliente.

4 – Repetições não são um bom sinal

Se a pessoa que escreveu o review já comentou em centenas de outros produtos, tome cuidado. Preste atenção se os textos não são parecidos ou se as avaliações sempre enaltecem ou acabam com o produto. A repetição de textos ou notas é comum a "trolls" ou usuários comprados.

5 – Leia muitos reviews

A editora sugere a leitura de muitas avaliações. Segundo ela, somente assim você irá perceber as diferenças de opiniões, textos e começar a compreender quais usuários estão falando a verdade. Além disso, é importante ler muitos comentários sobre o mesmo produto para fazer um balanço do que foi dito.

O Olhar Digital tentou entrar em contato com alguns perfis que possuíam avaliações suspeitas, mas não obteve resultado. Até o momento, o único fato que comprova que a compra de avaliação positiva existe é o caso da capa do Kindle Fire. Quer nos ajudar nesta investigação? Se você conhecer alguma empresa que ofereça recompensas em troca de avaliações positivas falsas, deixe um comentário abaixo. Aproveite também e deixe sua opinião sobre essa prática antiética e sobre a importância de avaliações reais na hora da compra.



Recomendações
Ver todas
Últimos vídeos
Ver todos
Redes Sociais