Jovem de 17 anos cria nanopartícula que ajuda no tratamento contra o câncer

Por Redação Olhar Digital - em 25/05/2012 às 17h22

  • Ciência

Resumo: Angela Zhang trabalhou dois anos para chegar ao resultado final. Pela invenção, adolescente foi premiada com US$ 100 mil

O que você faria para mudar o mundo? Que invenção, seja ela na ciência, matemática, jornalismo, arquitetura ou em qualquer outra área profissional você faria para deixar sua marca e imagem para o resto das pessoas?

Uma adolescente de 17 anos parece ter respondido a essas questões para si mesma. Angela Zhang é a nova ganhadora na categoria individual do Siemens Competition Math, Science & Technology, um concurso promovido pela Siemens que tem o objetivo de revelar os novos talentos da ciência em todo o planeta.

Zhang levou um prêmio de US$ 100 mil dólares (cerca de R$ 180 mil reais) por sua criação. Ela desenvolveu uma nanopartícula que poderá ajudar no tratamento de diversos tipos de câncer.

Reprodução

Zheng conseguiu desenvolver uma nanopartícula que pode ser enviada ao centro do tumor através de uma droga à base de salinomicina, também usada para combater o câncer. A substância "procura" pelos tumores e, por esta razão, é um ótimo meio para transportar a nanopartícula. Uma vez que atinge seu alvo, ela mata as células-tronco do câncer de fora para dentro.

Além disso, a jovem-prodígio ainda incluiu ouro e óxido de ferro à sua nanopartícula, que permitem a monitoração do tratamento por exames de imagem, como ressonância magnética e varredura foto-acústica - uma espécie de ultrassonografia.

Zhang passou mais de mil horas nos dois últimos anos - ou seja, desde que tinha 15 anos - na pesquisa para seu projeto, em um programa de desenvolvimento de estudantes do ensino médio da Universidade de Stanford (Estados Unidos), e já tem planos para o futuro: deseja ser pesquisadora, mas ainda não definiu ao certo qual carreira irá seguir. Contudo, engenharia química, engenharia biomédica ou física estão na lista das opções de Angela. A adolescente de 17 anos, que é uma estudante secundarista, afirma que ficou surpresa com a taxa de sobrevivência de pacientes submetidos ao tratamento contra o câncer atual. Por isso, decidiu pesquisar e criar um tratamento mais eficaz e menos categórico da doença.

Vale lembrar que esse não é o primeiro prêmio da adolescente. Anteriomente, a jovem já havia faturado o primeiro prêmio da Intel International Science & Engineering Fair (ISEF), em 2010 e 2011, ambos na área de medicina e tecnologia da saúde.



Recomendações
Ver todas
Últimos vídeos
Ver todos
Redes Sociais