Kinect nas galáxias

Por Redação Olhar Digital - em 29/05/2012 às 09h13

  • espaço
  • Kinect
  • Microsoft
  • Satélites

Resumo: Controle da Microsoft está sendo adaptado para uso em satélites espaciais
Sensor Kinect, do Xbox 360, saiu do mundo dos games para criar aplicações super úteis para nossa rotina diária

Depois de ser adaptado por hackers para todo tipo de funcionalidades, o Kinect, controle da Microsoft que identifica gestos, está prestes a atravessar a última fronteira e entrar em órbita. Isso porque um grupo de pesquisadores da universidade de Surrey, na Inglaterra, está adaptando algumas funcionalidades do controle para o uso em satélites espaciais, em um projeto chamado STRaND-2.

Os satélites terão pouco mais de meio metro e usarão componentes do controle para ganhar mais percepção espacial e para identificar condições adversas nos locais em que passarão. Além disso, os dois satélites – que se separarão no momento em que forem lançados no espaço – poderão voltar a se encontrar e criar alinhamentos em posições específicas, tudo isso usando a tecnologia desenvolvida e barateada pela Microsoft.

"Ficamos bem impressionados pelo que o MIT conseguiu fazer ao controlar um protótipo de helicóptero com o Kinect e nos perguntamos se não poderíamos usar essa tecnologia no espaço", explica Shaun Kenyon, que lidera o grupo, em entrevista à Wired inglesa.

Predecessor do atual modelo, o STRaND-1 deve chegar ao espaço ainda em 2012. O projeto pioneiro é controlado por um smartphone Android e usa diversos componentes dele – acelerômetro, sensores, GPS, baterias, compassos – para funcionar. Com ele, os pesquisadores testarão diversos aplicativos em ambiente espacial. Um deles, chamado iTesa, gravará a magnitude do campo magnético que cercará o satélite; o Postcards from Space irá captar fotografias geotaggeadas; e o Scream in Space comprovará se o ditado de que 'ninguém pode ouvir seu grito no espaço' é mesmo verdade.

De acordo com o pesquisador, satélites de baixo custo como o STRaND-1 e o STRaND-2 podem mudar bastante o atual cenário da tecnologia espacial, hoje restrito a empresas multibiolionárias. "A partir do momento que conseguirmos lançar nanossatélites de baixo custo no espaço e criarmos relações entre os dois, as possibilidades são infinitas".



Recomendações
Ver todas
Últimos vídeos
Ver todos
Redes Sociais