Motorola lança primeiro smartphone 4G produzido no Brasil

Por Stephanie Kohn - em 11/09/2012 às 10h40

  • 4G
  • Android
  • Brasil
  • Claro

Resumo: Rarz HD possui 4,7 polegadas e processador dual-core de 1,5 GHz e bateria que dura o dia inteiro
Google Motorola

Nesta terça-feira (11/09), durante evento em São Paulo, a Motorola Mobility realizou seu primeiro lançamento após se unir à família Google. A apresentação do Rarz HD, primeiro smartphone 4G produzido no Brasil, contou com uma videoconferência ao vivo que utilizou a quarta geração de internet móvel. O ministro das comunicações, Paulo Bernardo, estava presente no local e comentou a importância do novo aparelho no mercado brasileiro. 

"Isso significa que vamos oferecer grande competitividade na nossa indústria. Acho importante ressaltar este esforço da Motorola de produzir um aparelho 4G aqui no país para suprir nossas demandas nacionais. Sei também que a empresa tem condições de produzir para exportar, portanto, queremos cumprimentar a empresa por este esforço", comentou o ministro. "Com os smartphones inseridos na Lei do Bem, que oferece incentivos fiscais ao setor, poderemos ver mais produções nacionais. A lei deve ser sancionada no dia 17 de setembro", finalizou.

O aparelho vai rodar na frequência 2,5 e 2,6 Mhz, e será compatível também com as redes 3G, HSPA+ e 2G. No entanto, o Rarz HD não deve funcionar nas faixas de 450 Mhz e 700 Mhz. "Em junho não sabíamos que teríamos o 4G e pensamos até em lançar o dispositivo sem a conexão, mas tivemos uma grata surpresa", lembrou Sergio Buniac, vice-presidente da companhia no Brasil.

O lançamento do aparelho acontece simultaneamente em vários países, porém, aqui no Brasil ele deve chegar na primeira semana de outubro em todas as operadoras por R$ 1.999 no plano pré-pago e, na Claro, parceira da fabricante na apresentação do Rarz HD, o consumidor poderá adquirir o smartphone por R$ 999 no plano ilimitado 400.

Os outros modelos de smartphones lançados pela fabricante nos Estados Unidos na semana passada ainda não tem previsão de chegada no Brasil. De acordo com Buniac, a Motorola está oferecendo o Rarz HD 4G aos consumidores brasileiros, pois acredita que os usuários devem ter pelo menos uma opção de aparelho compatível com a quarta geração da internet móvel. "Ainda não sabemos se os demais celulares virão para cá. O que sei é que estamos disponibilizando um dispositivo que não vai se tornar obsoleto tão cedo", finalizou. 

Sobre o hardware

O Rarz HD 4G roda Android 4.0 Ice Cream Sandwich e vem com a função SmartActions, que adapta às configurações do aparelho de acordo com as necessidades do usuário. O novo smartphone permite a gravação e reprodução de vídeo em 1080p, e possui tela Corning Gorilla Glass e fibra DuPont, que resiste a quedas.

A novidade da Motorola conta com a tecnologia NFC e, segundo o vice-presidente da fabricante, possui bateria que dura o dia todo mesmo com uso intenso do aparelho. Por fim, a câmera do aparelho tem 8 megapixels e funcionalidade HDR, que edita e aprimora imagens automaticamente. O smartphone também tem câmera frontal de 1.3 megapixel.

O teste feito por nós comprovou a rapidez da rede 4G, disponibilizada pela Claro exclusivamente para o lancamento do smartphone. Conseguimos carregar o programa do Olhar Digital na íntegra em menos de um minuto, sem falhas de conexão.

Cenário do 4G no Brasil

Realidade em mercados como Coreia do Sul, EUA e Japão, o 4G ainda não chegou para valer no Brasil. A tecnologia que acelera a banda larga móvel existe no papel desde junho, quando a frequência de 2,5 Mhz foi a leilão numa operação em que R$ 2,9 bilhões foram arrecadados junto às operadoras interessadas em explorar o serviço.

Na última semana Claro e Oi ofereceram degustações a consumidores em cidades turísticas como Campos do Jordão (SP), Búzios e Paraty (RJ) e em Brasília.  Em ambos os experimentos, segundo as operadoras, a velocidade de 80 Mbps foi superada, chegando, no caso da Oi, a 88 Mbps com rajadas de 100 Mbps. Os índices superam em muito o 1 Mbps, velocidade praticada atualmente no mercado.

Apesar do bom resultado, a Oi afirmou o tempo de maturação da tecnologia tende a ser de três a cinco anos, dado o amadurecimento também no mercado internacional. Ao Olhar Digital, a operadora diz que ainda é cedo para projetar preços pelos quais os pacotes serão oferecidos. “Pacotes similares praticados na Europa custam de 50 a 60 euros por mês (equivalente a R$ 150). O serviço estará inicialmente voltado para quem estiver disposto a pagar por um serviço premium”, informa.

De olho na extensão da cobertura, o governo já sinalizou interesse em leiloar a faixa de 700 Mhz para uso da nova tecnologia. Neste caso, no entanto, há um problema pendente: as TVs abertas trafegam seus dados nesta frequência e, dada a intenção de prorrogar o desligamento do sinal analógico para além de 2016, a utilização pelas operadoras ainda é incerta.

Confira os recentes lançamentos da fabricante clicando aqui e veja fotos do smartphone abaixo. 

Reprodução
Reprodução

Reprodução 



Recomendações
Ver todas
Últimos vídeos
Ver todos
Redes Sociais