Pesquisadores criam robô-pássaro que pousa na mão de pessoas

Por Redação Olhar Digital - em 07/05/2012 às 09h13

  • projeto
  • Robôs
  • Robótica
  • Tecnologia

Resumo: Projeto foi financiado pela Força Aérea dos EUA; este é o primeiro dróide a conseguir pousar perfeitamente na mão de alguém
Robô-pássaro foi o primeiro e realizar pouso em mão humana. Tecnologia poderá ser usada para fins militares

Pesquisadores da Universidade de Illinois, nos EUA, criaram um novo robô inspirado em pássaros que é capaz de realizar um pouso perfeito na mão de alguém. "Acredito que fizemos a primeira demonstração de um voo autônomo/robótico de um veículo com pouso em uma mão humana", diz um dos pesquisadores.

Soon-Jo Cung, Aditya Paranjape e Joseph Kim, os engenheiros responsáveis pelo projeto, conseguiram essa façanha duplicando as funções de controle do robô, o que permite a aterrissagem suave. O robô consegue levantar voo, ajustar a rota e pousar em superfícies bem pequenas.

Reprodução

(Robô foi o primeiro a efetuar um pouso em uma mão humana)

Os pesquisadores dizem que a capacidade de bater as asas de aves foi o que tornou possível a criação. Isso permitiu que eles reorientassem o robô, possibilitando controles e manobras, segundo o site da universidade. O interesse na construção surgiu por causa do gosto dos pesquisadores por "aeronaves bioinspiradas", ou seja, aquelas que se baseiam em seres vivos.

Eles dizem que os pássaros foram escolhidos por conseguirem voar com o bater das asas: "O deslizamento é uma maneira efetiva de conservar a energia enquanto está subindo, descendo e pousando", dizem.

O pouso consiste em duas fases: a primeira é quando o robô desliza no ar, ficando em uma posição adequada para o local do pouso; a segunda é quando o pássaro faz um leve movimento, acompanhado de uma subida instantânea e uma desaceleração rápida, finalmente realizando o pouso na mão.

Reprodução

(Imagem de toda a trajetória realizada pelo robô durante o voo, desde a decolagem até o pouso na mão do pesquisador)

Chung diz que "há muito a ser aprendido com os biossistemas". Ele explica que os morcegos têm a capacidade de voar com uma asa machucada, além de serem ágeis e de conseguirem fazer voltas de 180º rapidamente: "Essas qualidades são desejáveis para pequenas aeronaves", diz.

Veja abaixo um vídeo de demonstração do projeto.



Recomendações
Ver todas
Últimos vídeos
Ver todos
Redes Sociais