Motorola desiste de fazer relógios inteligentes por enquanto

Se você era uma das poucas pessoas que tinha um Moto 360 e estava esperando por um novo modelo dele, temos más notícias. A Motorola e a Lenovo confirmaram hoje que não têm planos de lançar um novo relógio inteligente no futuro próximo. As empresas não descartaram totalmente esse mercado, mas por ora não há nada a caminho.

Em entrevista ao The Verge, o chefe global de desenvolvimento de produtos da Motorola, Shakil Barkat, disse que a empresa "não vê demanda suficiente no mercado para lançar [um novo smartwatch] neste momento". "Dispositivos vestíveis não têm um apelo amplo o suficiente para que nós continuemos a trabalhar neles ano após ano", continuou.

Mantendo a esperança dos fãs, Barkat disse que "acreditamos que o punho ainda tem valor e que haverá um ponto em que eles tragam mais valor para o consumidor do que eles trazem hoje". No entanto, segundo o Engadget, ele confirmou que a empresa não tem nenhum lançamento nessa linha programado para qualquer ponto do futuro próximo.

Mercado estacionando

A decisão da Motorola faz sentido: o mercado de relógios inteligentes vem passando por sucessivas quedas nas vendas e uma concentração cada vez maior em torno do Apple Watch. Em outubro, uma pesquisa da IDC revelou uma queda de 51,6% no número de unidades vendidas desses aparelhos entre os terceiros trimestres de 2015 e 2016.

Nesse período, a Lenovo, especificamente, viu uma queda de 73,3% em seus aparelhos vestíveis, o que justificaria a decisão dela de se afastar, ao menos temporariamente, do mercado. Mesmo a Apple, embora tenha se mantido na liderança do mercado, perdeu 71,6% de suas vendas nesse período. A única empresa a ganhar espaço ano a ano foi a Garmin, que faz relógios inteligentes focados em saúde e bem-estar, e cujas vendas cresceram estonteantes 324%.

O próprio Google parece não estar empolgado com o setor. A gigante das buscas é responsável por produzir o Android Wear, o sistema operacional usado por diversos relógios inteligentes, e anunciou em setembro que atrasaria a próxima versão do sistema para 2017.





RECOMENDADO PARA VOCÊ