Embed Apagar a luz Acender a luz Publicado em 10/06/2012 às 15h45
Copie e cole o código abaixo para compartilhar ou incorporar o vídeo.
<iframe src="http://olhardigital.uol.com.br/embed/conversamos-com-ajay-bhatt,-o-criador-do-usb/26775" frameborder="no" scrolling="no" width="460" height="290"></iframe>
FECHAR

A história do USB

  • Intel
  • USB
  • usb 3.0


Ele é um verdadeiro "pop-star" no mundo da tecnologia. O arquiteto de plataformas Ajay Bhatt ficou conhecido principalmente após um comercial de TV em 2009.

No vídeo, um indiano apresentado como co-inventor do USB aparece como um ídolo enquanto seus fãs vão ao delírio; muito carismático, ele distribui autógrafos e dedica toda atenção aos seus adoradores. A campanha, por qualquer razão, escolheu um ator para personificar o engenheiro. Na vida real, Ajay é uma pessoa reservada e nem tão conhecida assim em público; mas o carisma é o mesmo. E nós tivemos a honra de conhecê-lo e saber um pouco mais sobre a história do USB.

"A necessidade é a mãe da invenção", diz Ajay. "Na época, eu ainda era novo na Intel e estávamos acostumados a trabalhar com vários computadores. Quando comecei a usar o PC como um usuário comum, achei muito difícil de usar as coisas. Por exemplo, conectar uma impressora: você tinha que abrir a caixa, conectar uma série de cabos, instalar o software... Era um processo muito longo. Então, achei que seria legal se existisse algo que você simplesmente conectasse e funcionasse (assim como uma tomada elétrica). E foi aí que tudo começou, no meu escritório, em casa".

O USB foi originalmente lançado em 1995; nascia então a primeira versão do protocolo "Universal Serial Bus". Como explicou Ajay, a ideia era mesmo acabar com as inúmeras interfaces externas existentes na época. Naquele tempo, instalar periféricos em um computador obrigava o usuário a abrir a máquina, o que, convenhamos, não era pra qualquer um. Já o USB é uma conexão do tipo "Plug and Play" – ou "Ligar e Usar" – e que permite a fácil conexão de periféricos sem a necessidade de desligar o computador.

O próprio engenheiro considera sua criação como uma inovação que tornou o uso do PC muito mais intuitivo e promoveu também o uso de periféricos. "Hoje já existem tantos periféridos, e as pessoas estão fazendo coisas que nunca sequer imaginamos. Uma vez que nós criamos o padrão, o resto do mundo começou a inovar em cima".

Durante todo esse tempo, a conexão USB evoluiu. A princípio, a versão 1.0 oferecia velocidade de transmissão de até 12 megabits; ou seja, 12 milhões de bits por segundo. No ano 2000, o padrão 2.0 elevou essa velocidade para 480 megabits por segundo. Nove anos depois, as máquinas mais modernas, como os Ultrabooks, passaram a trazer o novo USB 3.0, com velocidade de 5 gigabits por segundo.

"Para fazer o USB 3.0 funcionar, simplesmente pegamos o mesmo conector e adicionamos alguns pinos; são quatro novos pinos que levam os sinais do USB 3.0. Os conectores funcionam com a mesma conexão, só que com quatro fios a mais, e podem chegar aos 5 Gigabits", explica.

Mas o indiano acredita que, sim, podemos ir ainda mais longe! Para ele a grande questão agora é: quando for mais rápido, será que ainda vamos querer fios e cabos? Ou vamos querer tudo wireless? Isso, só vamos descobrir no futuro.

Hoje, Ajay Bhatt trabalha na evolução dos Ultrabooks, a nova categoria de computadores portáteis que, assim como o USB, promete revolucionar o mundo da informática. "Acredito que os Ultrabooks vão dar início a uma nova era, com muitas tecnologias novas que as pessoas realmente desejam", concluiu.

Últimas notícias
Ver todas