Comparamos 3 TVs top de linha; juntas, elas valem mais que um carro

Telas grandes, definição Ultra HD 4K; sem dúvida, o que há de melhor na categoria disponível no mercado brasileiro. Mais caro também – somadas, as três peças ultrapassam os 50 mil reais. Testamos e comparamos o que LG, Samsung e Sony têm de melhor. Na nossa mesa de testes: a LG OLED 4K, de 55 polegadas; Samsung Ultra HD JS9000 Série 9 Curva também de 55 polegadas; e a Sony Ultra HD 4K X90C, de 65 polegadas... é hora de comparar.

DESIGN

As três são muito bonitas, mas detalhes fazem diferença. O design da LG é bastante clean: bordas metálicas finas e uma leve curvatura no display. O modelo tem apenas 5,9 milímetros de espessura na parte superior. A base é mais simples; uma grande placa de plástico metalizada. A Samsung apresenta uma curvatura um pouco maior, mas é bem mais grossa. A borda já é mais larga e se destaca como uma grande moldura da tela. Interessante é que as telas curvas apresentaram maior conforto, menor distorção e menos reflexos; independente do ponto que você esteja no ambiente. O suporte da Samsung apresenta um design mais moderno – todo em metal, super estilizado e elegante em forma de “V”.

A mais clássica, mas também mais elegante e imponente, não só pelo tamanho, é o modelo da Sony. Ela praticamente não tem borda, apenas um mínimo contorno metálico preto que desaparece quando a TV está ligada. O suporte é menor: dois pés com acabamento em metal escovado. A espessura da parte superior é até menor que a da LG – apenas 4,9 milímetros. Ainda que design seja questão de gosto, na nossa opinião, os japoneses da Sony acertaram no minimalismo.

CONEXÕES

Mais do que uma comparação, uma constatação. Todos modelos top de linha, cada uma traz quatro saídas HDMI, outras três USB, entradas de áudio analógico e digital e vídeo, além da conexão de cabo de rede e Wi-Fi. Os três modelos são Smart TVs, cada uma com seu sistema operacional e loja de aplicativos, mas é importante pensar que foram todas desenvolvidas para serem conectadas diretamente à internet. Elas também têm a função 3D…mas, será que alguém ainda usa?!

SISTEMA OPERACIONAL

Três TVs; três sistemas operacionais diferentes. O modelo da Samsung usa a plataforma Tizen; desenvolvida pela própria marca. A interface do sistema permite que você acesse a plataforma Smart sem ter que sair do que está assistindo; com apenas um clique, o conteúdo mais recente e até algumas sugestões personalizadas são exibidas na parte inferior da tela. O uso é bastante intuitivo. A loja de aplicativos traz uma série de apps interessantes. A plataforma da Samsung também permite navegar com buscas por comando de voz feitas diretamente pelo controle remoto. Mas.... comparado com os outros modelos, o sistema operacional da Samsung é o mais lento.

A Sony é uma Android TV. A Google Play Store é o ponto forte. Há uma infinidade de aplicativos; sem dúvida a maior quantidade das três rivais. No modelo Sony, também é possível fazer buscas por comando de voz. O que incomoda bastante no sistema operacional do Google para TVs é que, para acessar a plataforma conectada, você precisa sair do conteúdo que estava assistindo – diferente das outras duas que ocupam apenas a parte inferior da tela.

Apesar de já ter sido lançada há algum tempo, a plataforma WebOS 2.0 da LG ainda é a que chama mais atenção. Não necessariamente pela quantidade de aplicativos, mas pela praticidade, facilidade de uso e, principalmente, rapidez. É, sem dúvida, o mais leve dos três sistemas operacionais testados aqui hoje. Nele é possível incluir até seus canais de TV favoritos na barra inferior de navegação junto com seus aplicativos preferidos. A função multitarefa é muito legal: é possível mudar de conteúdo como estamos acostumados a trocar de canal, praticamente instantâneo e sem interromper o que já está rolando na tela. Vitória da LG em um quesito importante quando o assunto é Smart TV.

CONTROLES REMOTOS

Os controles já não são mais aqueles cheios de botões que faziam a gente ficar “catando milho”. As TVs da Samsung e Sony ainda trazem o controle remoto tradicional como segunda opção, para atender aos consumidores mais conservadores. Mas o controle principal é muito mais prático! Todos os controles menores trazem microfone embutido para buscas por comando de voz – e funcionam muito bem. O controle remoto da Samsung é o “point and shoot”, um formato simples e fácil de se adaptar.

O controle menor da Sony também é bem interessante. Ele tem um espaço onde - com um simples deslizar dos dedos -, você tem acesso a diferentes conteúdos na parte inferior da tela. A navegação se assemelha muito à dos notebooks e, assim, também fica prática e objetiva.

A exemplo do modelo da Samsung, o controle da TV LG funciona apontando para a tela; esses modelos chamam mais atenção pela nova forma de interação com a TV. Neste quesito, o mais justo é decretar um grande empate entre as três rivais e seus novos controles remotos. Claro, para usar os dispositivos novos, é preciso certa adaptação. Mas é muito mais fácil do que ficar caçando teclas... pode apostar.

ÁUDIO

Normalmente, quem compra um aparelho deste porte – e deste valor – usa também um bom home theater. Mas, nós avaliamos o áudio de cada um dos televisores. Os três impressionam pela qualidade sonora. O LG oferece um som sem qualquer distorção; a assinatura dos falantes é Harman/Kardon, que dispensa comentários. São 20 Watts RMS de potência. Mesmo com o volume no limite, não há distorção. A única coisa que a gente sentiu falta foram graves mais potentes.

A qualidade do modelo da Sony é equivalente, mas um pouco mais potente: são quatro falantes de sete watts e meio... potência total de 30 Watts RMS. O grave da Sony também deixou um pouco a desejar e, mais do que isso, com o volume no máximo, a gente já consegue notar certa distorção do áudio.

Com 60 Watts de potência RMS, incluindo dois subwoofers de 10 Watts cada, tecnologia DTS 5.1, o som da Samsung é o mais poderoso e envolvente dos três. Mesmo com o volume levado ao extremo não notamos qualquer distorção ou som estourado. No quesito áudio, todas as marcas estão muito bem representadas, mas é fácil notar a superioridade dos coreanos da Samsung que levam mais essa disputa.

IMAGEM

Esta foi uma comparação bastante difícil de ser feita. Começamos avaliando os modelos um a um. A resolução Ultra HD 4K impressiona em todos os casos – a definição é incrível. Quando a gente volta um pouco atrás e exibe imagens Full HD nessas TV - apesar de o sistema de up-scaling funcionar super bem -, dá para sacar que, realmente, o 4K faz diferença. Qualquer um fica mais exigente na frente de uma tela dessas. Para uma comparação mais justa, colocamos as três TVs literalmente lado a lado. Baixamos o mesmo vídeo em qualidade 4K e colocamos para rodar simultaneamente em todos os aparelhos. Também equalizamos as configurações deixando o mais próximo possível uma da outra em questão de contraste, brilho, saturação...

A Sony chama ainda mais atenção pelo tamanho. A tela de LED mantém a tradição da marca japonesa e exibe imagens com alto contraste e ótimo nível de preto. O modelo da Sony também foi o que apresentou maior brilho – mas isso nem sempre é a melhor coisa; neste caso, a imagem ficou um pouco saturada demais em algumas ocasiões.

A Samsung e sua tecnologia Quantum Dots, ou “pontos quânticos”, utiliza nanocristais para emitir cores mais reais quando ativados. É uma aposta solitária da Samsung para dar uma sobrevida ao popular LCD. Na prática, o que vimos foi uma imagem mais equilibrada que, arriscaríamos dizer, se aproxima de um HDR – com muita informação tanto em áreas de alta quanto baixa luminosidade. Lembra bastante cinema. Por outro lado, é uma imagem menos brilhante e menos saturada. Pode ser questão de gosto também, mas ao lado das outras, ela perde um pouco seu glamour e impacto.

A imagem que realmente surpreendeu neste Laboratório Digital foi a da LG OLED 4K. Ela se sobressaiu em todos os quesitos: ótimo e alto brilho, alto contraste, cores vívidas e brilhantes e, acima de tudo, um nível de preto incrível que só ela foi capaz de reproduzir. Como no OLED, cada pixel se auto ilumina, na hora do preto, eles simplesmente apagam! Sem sombra de dúvidas, a melhor imagem! Ponto para a LG; mas aqui, vale uma ressalva importante. Se tivéssemos comparados as TVs sem coloca-las assim, juntas, ao mesmo tempo, seria impossível chegar nesses detalhes. Se a decisão fosse somente pelo o que os nossos olhos enxergam, o quesito imagem seria mais um grande empate técnico. Com qualquer uma dessas na sala, você certamente ficaria hipnotizado pela qualidade Ultra HD.

PREÇO

Não se assuste; desde o primeiro momento deixamos bem claro, essas são TVs top de linha - lançamentos das principais marcas do mercado. Ou seja, são beeeem caras. Os preços são praticamente equivalentes: A Sony, em promoção, custa R$ 16 mil; o modelo da LG OLED 4K vale R$ 17 mil; e a Samsung Ultra HD é vendida por R$ 18 mil.

CONCLUSÃO

É muito difícil dizer qual TV é melhor quando se está diante de equipamentos tão modernos e completos. De início, a resolução Ultra HD 4K impressiona em qualquer uma das telas - a definição salta aos olhos. As telas curvas, como dissemos no início, saem na frente com maior conforto para assistir, seja qual for o ângulo em relação à TV, e ainda produzem menos reflexos. Já o design minimalista da Sony é capaz de deixar a gente paralisado em frente à TV mesmo com ela desligada.

Os controles remotos são equivalentes. O ponto crucial para definir o terceiro lugar desse Laboratório Digital foi o sistema operacional. A Android TV da Sony oferece uma experiência já um pouco ultrapassada em Smart TVs. O fato de ter que deixar o conteúdo que estamos assistindo para navegar na plataforma conectada incomoda bastante.

O segundo lugar foi ainda mais complicado de decidir; a briga entre as rivais coreanas que apostam em tecnologias diferentes é muito acirrada. De um lado o Quantum Dot; do outro o OLED. Na LG, o sistema WebOS 2.0 é, sem dúvida, o que oferece melhor experiência ao usuário. Já o som super potente de 60 Watts da Samsung é impressionante… quase que dá para dispensar o home theater. As duas possuem tela curva, mas a diferença de imagem foi o que decidiu este Laboratório. Dá só uma olhada:

Tudo bem, as imagens na TV da Samsung são mais equilibradas e ainda trazem mais informações em condições de baixa luz, mas a tela OLED 4K da LG é indiscutivelmente melhor. O brilho é mais alto, o contraste mais chamativo e, ainda mais superior, é o nível de preto. A qualidade da tela combinada com o melhor sistema operacional deu a vitória de hoje à LG OLED 4K.

E você? O que achou da nossa decisão? Tem opinião diferente? Compartilhe seus vereditos com a galera nos comentários! E, se você quiser entender melhor as diferenças entre as tecnologias OLED, Quantum Dot e LED, separamos links com matérias do Olhar Digital que mostram direitinho o que cada uma significa. É super interessante, vale conferir!

Do plasma ao OLED, a evolução das telas de TV 

Full HD, 4K, LED, OLED: entenda sobre os tipos de TVs e a qualidade de imagem 

Ponto quântico, SUHD, 8K, HDR: o que são estes novos termos em TVs? 



RECOMENDADO PARA VOCÊ