Embed Apagar a luz Acender a luz Publicado em 30/09/2012 às 15h45
Copie e cole o código abaixo para compartilhar ou incorporar o vídeo.
<iframe src="http://olhardigital.uol.com.br/embed/qual-e-o-melhor-roteador-do-momento/29419" frameborder="no" scrolling="no" width="460" height="290"></iframe>
FECHAR

Qual é o melhor roteador do momento?

  • Roteadores


Muita gente parece não prestar muita atenção neles. Mas, é importante saber: há muita diferença entre os modelos de roteadores sem fios. Vamos a elas.

Pedimos aos fabricantes que têm operações organizadas no mercado brasileiro para que nos mandassem seus melhores aparelhos. Assim, cada modelo testado no Laboratório desse mês foi eleito por seus criadores como o melhor do momento – pelo menos entre os que chegam para nós. 

A Linksys nos enviou o seu Linksys E2500. A D-Link, o seu Cloud Router 5700. E Intelbrás entrou na disputa com o seu WIN 240. Vamos aos testes!

Velocidade

Para começar, é bom saber que os valores que os fabricantes prometem nas embalagens dificilmente se repetem na vida real. Até porque as velocidades prometidas só são alcançadas em condições ideais: sem interferências e, principalmente, sem paredes.

Outro detalhe importante. Os roteadores são como rádios. E, como tais, usam frequências para transmitir seus sinais pelo ar. Os modelos da Linksys e da Dlink operam em duas frequências: 2,4 e 5 gigahertz – são o que os técnicos chamam de roteadores dual band. Já o modelo da Intelbrás funciona apenas em uma frequência, a de 2,4 gigahertz. Aí, o Intelbrás levou desvantagem. Acontece que as maiores velocidades de conexão geralmente só são atingidas na frequência de 5 gigahertz.

Então, colocamos o Linksys e o Dlink para competir na frequência de 5 gigahertz. Para estabelecer um critério justo, nossos testes foram feitos a duas distâncias com os dois roteadores. Num dos testes, o computador foi colocado ao lado dos roteadores. No outro teste, o micro estava a aproximadamente 30 metros de distância, com algumas paredes no meio do caminho. Na hora da decisão, quem levou a melhor – disparado – foi o modelo da DLink. No teste com o computador do lado, ele cravou a velocidade de 146 megabits por segundo, contra 75 do Linksys. Com o micro distante, a velocidade do DLink caiu para 122 megabits. Ainda assim, muito à frente do Linksys, que ficou com 68 megabits.

Já nos testes com o 2,4 gigahertz, as velocidade são bem menores. Novamente, o Dlink ficou na frente. Com o micro perto, ele registrou 34 megabits. Com o micro longe, 20 megabits. O Linksys veio logo atrás. Com o micro do lado: empate. Também 34 megabits. Mas, quando o micro foi levado para longe, a velocidade caiu para 9 megabits. Por último veio o Intelbrás. Com o micro perto, a velocidade ficou em 28 megabits. Com o micro distante, o roteador alcançou 8 megabits.

Alcance

Esse é outro item que faz toda a diferença. Aqui, o DLink continuou na frente. O roteador conseguiu transmitir para o micro até cerca de 40 metros de distância. Em segundo lugar veio o Intelbrás. A transmissão continou até cerca de 35 metros de distância. Por último veio o Linksys, que começou a perder o sinal a partir dos 30 metros.

Interface

Aqui, uma boa notícia. Os 3 modelos apresentaram interfaces simples e fáceis de manipular. O D-Link é o mais prático: basta ligar o aparelho, conectar o cabo da internet e ligar o roteador a um computador. Pronto. Daí para frente, ele faz tudo sozinho.

O Intelbrás também foi bem, com uma interface super simples de instalar. Basta inserir o CD que acompanha o produto e seguir o passo a passo, em português.

O Linksys também se mostrou fácil de configurar. O único problema é que só dá para usar o modo automático de configuração se a sua conexão com a internet estiver disponível. Para configurar esse roteador sem estar conectado à Web, o caminho é bem mais complicado.

Outro item importante nos roteadores: o teste de estabilidade. Não são raros os momentos em que os roteadores sem fio simplesmente derrubam sua conexão com a Web. No caso desses três, fizemos o teste com uma conexão contínua por 24 horas – e os 3 não caíram nenhuma vez.

É claro que dá para analisar vários outros quesitos relacionados aos roteadores, mas, acreditamos que esses são os principais na hora de escolher um modelo. Só falta agora conferir o preço.

Preço

Antes de passar à parte dolorosa do teste, uma ressalva. O roteador da D-Link tem uma etiqueta de preço bem mais alta que os outros dois. E a explicação é simples: esse é um roteador de última geração, que foi lançado há relativamente pouco tempo mesmo nos Estados Unidos. Ele já traz embutido um novo protocolo de transmissão dados, chamado 802.11 AC. Mas, esse protocolo ainda é tão novo que são bem raros os aparelhos capazes de usá-lo. Feita a ressalva, vamos ao preço. O D-Link é, de longe, o mais caro: R$ 1.200! Em seguida, vem o Linksys, custando cerca de R$ 300. Finalmente, o Intelbrás, por R$ 155.

Como deu para notar, no Laboratório desse mês tem para todos os bolsos. Mas, como você sabe, sempre precisa haver um vencedor. E, colocados os prós e contras, a escolha do Olhar Digital como melhor roteador do mercado nesse momento vai para o Linksys E2500. É verdade que ele não oferece o mesmo desempenho do modelo da D-Link, mas o preço é bem mais palatável. Por cerca de 300 reais você consegue conectar todos os seus aparelhos em duas frequências, 2,4 e 5 gigahertz, com um aparelho moderno e bonito. Logo em seguida, vem o Intelbrás. Por 155 reais, esse é um roteador básico, mas que cumpre seu papel. Já o D-Link é foi o melhor em todos os testes. Mas, o preço acabou tirando o aparelho da disputa.

Como sempre, no Olhar Digital.com.br tem mais informação para você. Passe por lá e entenda as diferenças entre os protocolos de transmissão sem fios que estão por aí. Os tais 802.11... Tem o 802.11 G, o 802.11 N e, o mais recente, o AC. Acesse e saiba o que a sopa de letrinhas significa. O link está junto a esse vídeo. Aproveite!


Últimas notícias
Ver todas