Embed Apagar a luz Acender a luz Publicado em 25/04/2010 às 15h45
Copie e cole o código abaixo para compartilhar ou incorporar o vídeo.
<iframe src="http://olhardigital.uol.com.br/embed/qual-o-melhor-smartphone-para-uso-profissional/11349" frameborder="no" scrolling="no" width="460" height="290"></iframe>
FECHAR

Qual o melhor smartphone para uso profissional?

  • Celulares
  • Smartphones
  • Telefonia
Vídeos relacionados
Ver todos


Uma das melhores ferramentas de trabalho de um profissional, hoje, é o smartphone. Com ele, ganha-se em tempo e produtividade.

Diante das inúmeras opções no mercado, qual escolher?

Selecionamos 5 smartphones de preços variados para nosso laboratório. Em comum, todos possuem um leque completo de ferramentas e funcionalidades, como 3G, wifi, bluetooth, GPS.

Na seleção, consideramos a possibilidade de se comprar o aparelho de forma avulsa, sem ter que, necessariamente, adquirir um plano de dados para usar a internet. Todos possuem wifi. Mais tarde, ciente do seu estilo de uso de internet móvel, o usuário poderá assinar um pacote com sua operadora.

 

Nokia E75

De visual discreto e elegante, o E75 passa facilmente como um celular comum. Contudo, o grande chamativo dele é, sem dúvida, o fato de ter 2 teclados. O alfanumérico padrão, quando está fechado, e o QWERTY deslizante, que fica escondido. Ao abri-lo, a tela fica na horizontal automaticamente.

O teclado slide tem teclas bastante espaçosas, que proporcionam boa digitação, mesmo sendo plano. É adequeado para quem tem dedos mais grossos. Também é o teclado onde é mais fácil acentuar; junto com os símbolos azuis, para caracteres especiais, a agilidade na escrita é excelente.

Ele vem com uma versão do Quickoffice que apenas lê documentos. Contudo, basta fazer uma atualização gratuita no próprio aparelho para que ele passe a editar também.

Diferente de muitos Nokias anteriores da série E, o E75 está bem servido com um plugue de áudio para usar com fones de ouvido comuns. O mesmo vale para a câmera. Ainda que o objetivo primário de um aparelho para trabalho não seja tirar fotos, atualmente é muito prático fotografar notas, bilhetes, recibos e escanear cartões de visita. Para isso não é preciso uma câmera de zilhões de megapixels. Basta uma resolução suficiente (como os 3.2 MP do E75) e uma macro decente.

Outra lição que a Nokia aprendeu: carregar a bateria via cabo USB.

O E75 tem um aspecto robusto, em metal, segue a mesma linha do E71 e dá uma boa empunhadura na hora de digitar ou fazer fotos.

Essa dualidade de teclados combina com os “perfis de uso”, presentes também em alguns antecessores da série E. O objetivo é alternar entre perfis de uso corporativo e pessoal. Você poderá configurar duas telas principais diferentes, com wallpapers e atalhos também diferentes.

Com o aparelho fechado, dá para fazer ligações, ler SMS, espiar o calendário, ligar/desligar o bluetooth e ativar/desativar o modo silencioso, acessar menus e aplicativos. Dá até para usar o T9 e escrever alguma coisinha. Você só precisará abrir o teclado deslizante quando for realmente escrever bastante.

É comum que usuários profissionais usem seus smartphones para escrever textos longos. Se o teclado QWERTY for insuficiente, é possível comprar à parte um teclado bluetooth dobrável: o SU-8W da própria Nokia, que cabe em qualquer canto da pasta. Funciona com qualquer smartphone da finlandesa.

A autonomia E75 é ótima. Navegando à vontade pelo 3G ou wifi, ele ainda chega no fim do dia com fôlego sobrando.

O E75 foi o primeiro Nokia a já vir com o Nokia Messaging, um excelente gerenciador de emails, como padrão, também presente no E72. É possível sincronizá-lo com o Outook, ou na “nuvem” com Exchange, Ovi ou Google Sync (basta instalar no aparelho o Mail for Exchange, gratuito).

 

HTC Touch2

Sucessor do HTC Touch, que foi um best-seller de ótima reputação, o Touch2 aprimorou suas ferramentas e funcionalidades, sem abrir mão do ponto forte da série: dimensões enxutas, leveza e boa autonomia de bateria.

Na frontal do aparelho, os botões físicos: os de ligações, home, o menu iniciar e voltar; não há direcional. Nas laterais, o único botão é o da regulagem de volume, e, acima, está a entrada para fones de ouvido padrão 3,5mm – uma grande evoução, já que o antecessor exigia o fone proprietário mini-USB. A tela de 2,8” ocupa quase toda a frontal do aparelho, mas o que chama mesmo a atenção é a pequena barra com uma lupa sob ela: é uma barra de zoom. Ao deslizar o dedo por ela, aumenta-se ou diminui-se o zoom da tela. É um interessante recurso quando se usa o navegador. Porém, como a resolução da tela não é alta, basta um pouco mais de zoom out para que o conteúdo se torne ilegível.

Também é deslizante a barra da tela principal onde há os atalhos dos aplicativos. Basta ir escorregando o dedo para se acessar calendário, mensagens, emails, fotos, mediaplayer entre outros. O sistema, Windows Mobile 6.5, vem com todas as ferramentas necessárias para um profissional móvel: Office, RSS, e o ótimo MyPhone, solução gratuita da Microsoft para fazer um backup online do aparelho.

Ainda que se possa acessar boa parte dos aplicativos só com os dedos, a tela resistiva exige a canetinha na hora de adicionar informações nos aplicativos internos, como calendário e contatos. O teclado virtual, um pouco estreito, é eficiente para ser usado com os dedos, desde que não sejam largos. Para muitos, só mesmo com a canetinha.

O grande ponto negativo é a câmera. Com 3,2 MP, não possui quase nada de opções mais avançadas, e não há um botão físico para acioná-la. Para tirar as fotos, é preciso apertar um botão virtual na tela. Isso acaba com a estabilidade e o resultado das imagens acaba sendo ruim.

 

Nokia E72

Atualização do ótimo E71, que foi um sucesso de vendas, o Nokia E72 corrigiu os poucos defeitos que o E71 pudesse apresentar. O principal deles é a câmera. Agora com 5 MP, há melhor fidelidade de cores e bons resultados em baixa luz. A função macro, para fazer fotos de perto, também fotografa com qualidade páginas de livro, papéis ou bilhetes.

O teclado continua o mesm completo e eficiente, seja na digitação de textos curtos ou longos. Contudo a barra de espaço encolheu. Os botões para atalhos (como tela principal, calendário e email) ganharam um novo visual, seguindo o prateado do aparelho.

O sistema ficou mais rápido; o cliente de email ganhou a possibilidade de sincronizar contas do Lotus Notes Traveler, além das já tradicionais contas POP, IMAP e Exchange.

O dial-pad passou a ser touch. Ou seja, ao invés de apertar o direcional para percorrer a tela, basta o deslizar dos dedos. Com isso, ganha-se muito mais agilidade ao percorrer páginas mais longas.

O E72 foi o smartphone com melhor desempenho de bateria entre os analisados. Mesmo que se use bastante internet, ele aguenta 2 dias sem recarga. Em modo stand-by, ele pode chegar a uma semana!

Outro excelente adicional: a entrada de fones de ouvido agora suporta fones comuns; no E71, era necessário o fone padrão que acompanha o produto.

Além de tudo, a Nokia liberou licença permanente do seu serviço de mapas. O serviço completo é gratuito para usuários do E72.


Samsung Omnia II

Tem problemas para enxergar telas de celuares? Então, o Omnia II, topo de linha da Samsung, é o aparelho perfeito. Sua tela touch, imensa (3,7”) e de alta resolução (480 por 800 pixels) é um show para os olhos. E o melhor de tud o tamanho das fontes e menus também é grande, proporcionando ótima legibilidade, ainda mais com o seu fundo escuro.

A tela grande favorece o uso dos aplicativos Office. Trabalhar com planilhas é mais prazeroso que nos demais smartphones.

O smartphone tem 3 teclas frontais: as 2 para ligações e um direcional no centro. Nas lateriais, botões para travar e destravar o aparelho, câmera (5 MP com autofoco e flash) e volume.

A interface do Omnia II segue o padrão que tem se tornado característica dos aparelhos touch da Samsung: áreas de trabalho deslizantes, que podem ser incrementadas com widgets. A barra de widgets fica retraída na lateral esquerda da tela. É possível instalar outros widgets, baixando-os da internet. Entre os destaques, widgets para redes sociais e serviços do Google, como mapas, Gmail e Orkut, além de atalhos para agenda, notas, previsão do tempo, entre outros.

Para navegar entre as telas e menus, usar apenas os dedos já é suficiente, embora o deslizar da tela não seja macio. Falta mais sensibilidade. Para escrever, porém, o usuário tem que usar a canetinha stylus que vem junto. Com a caneta, a escrita é macia e o aparelho permite fazer com conforto até anotações em escrita cursiva, pelo aplicativo de notas.

Porém, a caneta não é daquelas que se encaixa dentro do aparelho. Se por um lado o fato dela ser maior melhora a empunhadura, por outro fica fácil perdê-la, a não ser que a amarre pelo strap em algum lugar.

A câmera tem desempenho apenas razoável, e a bateria surpreende num aparelho que tinha tudo para ser um devorador de energia: sua tela amoled é gigante e o processador é super veloz.

O Omnia II é um dos melhores smartphones com Windows Mobile (versão 6.5) da atualidade, mas o sistema não é dos mais ágeis. A resposta é um pouco lenta ao alternar entre diversos aplicativos abertos ou quando há muitos widgets.

Nossa escolha

O Omnia Pro é o aparelho que melhor equilibra as ferramentas oferecidas com o preço final do produto. Custando menos de R$ 1.000, é o melhor custo-benefício.

Contudo, nossa escolha ficou com o Nokia E72. Com desempenho brilhante nos testes, não ficou devendo em nada. E o melhor de tudo, tem a melhor autonomia entre os modelos do laboratório. E como bem sabemos, de nada adianta ter um super smartphone se no meio do dia a bateria acaba.


Extra:

Blackberry Bold 9700, solução econômica para conectividade

Quem pretende usar bastante internet móvel mas não quer gastar muito, seja no aparelhou ou no plano de dados, uma boa opção é o novo Blackberry Bold 9700. Ele é um “irmão” menor e mais leve que o primeiro Bold, mantendo contudo a ótima conectividade, com 3G, wifi, bluetooth e GPS. Ele também perdeu a “bolinha” direcional, dando espaço a um trackpad touch. A sensibilidade ao toque agiliza a rolagem da tela. A câmera também foi melhorada e ganhou geotagging.

Além disso, ele vem com o sistema operacional mais recente (versão 5.0), a loja de aplicativos Blackberry App World e suporte nativo a algumas redes sociais, como o Twitter.

A bateria aguenta até 17 dias em stand-by no modo 3G.

Na Claro o aparelho sai por R$ 849,00 nos planos Claro 300 ou ilimitado. A mensalidade desse pacote está com 50% de desconto nos 3 primeiros meses, por R$ 37,50. Mas há planos com mensalidades começando por R$ 19,90.

Últimas notícias
Ver todas