Testamos: caro, Xperia XZ sofre com superaquecimento

O Xperia XZ é a mais nova aposta da Sony para competir no mercado premium de smartphones. O flagship de 5,2 polegadas tem design diferenciado e câmera potente. Mas, o preço de 4 mil reais assusta. Principalmente porque o aparelho não vem com fone de ouvido.

O design trabalha com o metal Alkaleido em sua composição e essa aposta pode ser uma faca de dois gumes. Se por um lado o celular é mais resistente, por outro fica coberto de marcas de dedos. As bordas são achatadas e possibilitam que o telefone fique em pé. Já as laterais abrigam os botões que ligam, controlam o volume e acionam a câmera do aparelho.

Nas configurações de hardware está o processador Snapdragon 820 quad-core e 3 gigabytes de memória RAM, além de espaço interno de 32 gigabytes expansível com cartão microSD. A bateria de 2.900 mil ampères é eficiente e não desagrada.

Durante os nossos testes o celular apresentou bom desempenho com jogos e filmes, mas não se saiu nada bem quando usamos os recursos de realidade aumentada da câmera. Por duas vezes o aparelho exibiu uma notificação de superaquecimento e precisou encerrar o aplicativo.

Tirando esse ponto negativo, as câmeras têm boa qualidade. Elas impressionam pelo número de recursos como filtros e efeitos especiais. Com 23 megapixels na traseira e 13 na frontal, as câmeras permitem gravação em 4K. Além disso, para ajudar os menos experientes há função de estabilização de foco, mudança de ISO e ajustes de luminosidade.

O outro ponto negativo é que o aparelho não é vendido com fone de ouvido, como a maioria dos smartphones. Essa estratégia já foi utilizada com o Xperia XA Ultra e promete se tornar comum nos próximos lançamentos da fabricante japonesa.

A conclusão que fica é que o Xperia XZ acerta na potência e nas funcionalidades da câmera. Entretanto, o preço alto, a ausência do fone de ouvido e as configurações internas podem pesar na hora do consumidor dar ou não uma chance ao smartphone da Sony.



RECOMENDADO PARA VOCÊ